Sem categoria › 04/10/2015

FLOR DE PAZ, TERESA, QUE RENASCES ENTRE AS CHAMAS!

Flor de paz, Teresa, que renasces entre as chamas!

                               ( Súplica de filho para a mãe)Santa Teresa 4

Quem conhece Teresa de Jesus certamente se deparou com uma mulher muito humana e muito mulher: com sua capacidade de amar, de ser amiga, de deixar-se amar, com sua sensibilidade aprimorada, com seu conhecimento profundo da vida e seu autoconhecimento, com sua coragem e determinação, com sua capacidade de trabalho e de relações, com seu senso de humor e de realismo, com seus pés no chão, construtora da história. De outro lado, ela é contemplativa por excelência, doutora mística, mestra nos caminhos do Espírito, aquela que atingiu a mais profunda comunhão com Deus e favorecida por Ele de experiências únicas em relação à Transcendência e à Encarnação de Jesus e de sua permanência entre nós.                               “Teresa eminentemente humana e toda de Deus”.

 

Tu, Teresa, flor de paz, nasceste entre chamas…!

(Um “fogo especial do Espírito” nasceu na Espanha

quinhentos anos atrás… e gastou toda a sua vida

curando as feridas da Igreja, com seu amor, construindo comunidades de paz…!).

O teu mundo, Teresa,

 “ardia em chamas, pegando fogo”…!

O nosso mundo quebrado, despedaçado,

 e os nossos “tempos duros”

precisam ainda de ti.

É necessário que tu revivas entre nós.

Contigo, convictos, de “negócios importantes”

queremos tratar com “ Aquele que, sendo AMOR, só sabe amar”

e suplicar-lhe, com coração em chamas,

que seja restaurada na Igreja  a unidade partida

e reine enfim  a paz, sem divisão,  sem guerra nem dor.

Ó Teresa de Jesus santa, muito santa…

mulher, muito mulher, amiga…

 apaixonada, coração transverberado, mística…

 humana, muito humana, andarilha, ativa…

 propriedade de Deus, muito divina…

“Filha da Igreja” e “Doutora”, Renovadora…

Fundadora do novo Carmelo, mãe e mestra…

ensina-nos a olhar para o Alto,

 caminhando centrados, seguindo teus passos

–  pois é sempre “hora de caminhar!”-

e a não contentar-nos de terra e  de charcos,

“rastejando e andando, sem rumo, quais lagartixas e sapos!”

Com Cristo, Amigo fiel e sincero, queremos tratar com santa ousadia,

dos seus interesses e dos nossos problemas…

De ti, Teresa, aprendemos que o interesse de Deus

 é o homem somente

e o homem, sem o interesse por Deus, é um problema.

Eis os assuntos que a ti, a Ele e a nós interessam:

– nossa vida e vida plena, em liberdade…

– as dimensões inexploradas da humanidade…

– o “caminhar na verdade”, com total dignidade

de filhos e simplicidade de irmãos…

– nós “morada de Deus”, em comunhão…

–  a oração, mergulho em Deus e na humanidade, em profundidade…

E queremos revelar para todos, em todos os espaços:

–  a misericórdia de Deus, um Deus que desce, um Deus humano…

– o amor,  luz que nos guia, o amor- caridade…

– a liberdade, o desapego, a  humildade…

 – o entreter-se com Deus em amizade, as obras ,a  santidade…

– o olhar posto no Homem-Deus, Cristo Jesus Senhor-Crucificado-Ressuscitado!

O mundo continua em chamas, Teresa!

– Necessária se faz outra chama!

 O mundo está sedento de Água viva, Teresa!

–  “O Senhor – a Fonte- não nos deixará morrer de sede!

Olhem para Ele, que olha para nós, simplesmente”!

O mundo, nosso mundo, quer ver… ver Deus, para sempre!

Ensina-nos  a ver, contemplar, caminhar, viver…

 E anunciar!

Ensina-nos

a sair em missão, contagiando, convencendo,

 aquecendo com o fogo do  AMOR!

Quanta alegria em tua vida, Teresa!

–  Deus é a fonte!

Quantos trabalhos em tua vida, Teresa!

– O Crucificado é teu Mestre!

Quanto amor e esperança e experiência em tua vida, Teresa!

– A Igreja é teu campo de ação!

Quantas vitórias!

–  “Só Deus basta!”

Peregrina e feliz caminhando, Teresa, andarilha de Deus,

tua meta é o céu –  tão intenso teu   desejo!-

  a terra é  teu chão, firmemente pisado.

Caminhamos contigo, Teresa!        

Que saibamos  caminhar sem cansar…até chegar!

Ah! Teresa! Fogo que ardeu em terras de Espanha um dia,

fogo que arde ainda  e   brilha em nosso mundo todos os dias,

dá-nos a mão e leva-nos ao   “Castelo Interior”,

  e conduz-nos de morada em morada,

até o aposento mais íntimo, ao centro do ser.

Ali nos encontraremos

com “Sua Majestade”, nosso Deus e  nosso TUDO,

e, com Ele e com todos os seres,   poderemos, então, criar comunhão!

“Para sempre, para sempre, para sempre!”      

 

Frei Pierino Orlandini                  

 

 

Tags:

Deixe o seu comentário





* campos obrigatórios.